sábado, 4 de abril de 2015

O botão do foda-se

Acredito, do fundo do meu coração, que as pessoas estão enlouquecendo. No mínimo, adoecendo. É cada vez maior a constatação de que as pessoas estão imensamente desconectadas de seu bom senso, do bom e velho simancol. Só hoje, tive duas dessas provas.

Quem leva filho em colégio grande às sete da manhã, sabe o estresse que é. O colégio de minha filha tem uma rampa formando uma meia lua para embarque e desembarque. Após finalmente conseguir entrar na rua da escola, coloquei meu carro na fila de desembarque, que para minha surpresa, não saía do canto. Pois não é que uma criatura dessas que falei acima, louca ou doente, simplesmente ESTACIONOU no meio do percurso? Sim, parou, desceu com seu pimpolho, fechou o carro e entrou no colégio. Simples assim. Apertou literalmente o botão do foda-se. Foda-se quem vier atrás. Minha filha desceu ainda na calçada e foi andando, e tive que aguardar a palhaçada terminar. E assim foi o meu desjejum.

No final do dia, ao voltar do trabalho, precisei passar em uma clínica para agendar minhas sessões de fisioterapia. Havia uma vaga no estacionamento. Estacionei e entrei. Aguardei as secretárias terminarem seus atendimentos e resolvi o que precisava com elas. Mal finalizei o meu atendimento e um senhor já começou a esbravejar com a moça, com a delicadeza de um jumento (que me perdoem os animais). Dei no pé, afinal, estava a fim de ir pra casa descansar. Só que não. Lá estava, um carro atravessado atrás do meu, trancando o estacionamento.

Dando ouvidos ao meu identificador de doido e de doente, parti pra dentro da clínica e fui atrás do digníssimo, que já estava adentrando na cabine para sua sessão. – Senhor, é do senhor aquele carro branco? – Ele simplesmente respondeu: - A senhora vai sair agora? – (Pensei: não, só vim olhar pra essa sua cara de corno!) e respondi um minguado “Sim”. Ele deu meia volta, foi até o seu carro, não me pediu nenhuma desculpinha por ter me trancado, e eu saí, pensando na cara de idiota que eu ficaria caso ele já tivesse iniciado sua sessão e eu não tivesse dado ouvidos ao meu radar. É, A vida tem se tornado mesmo isso: um pandemônio de trânsito, doido, doente, corno, idiota e botões do foda-se. Boa noite.

  

3 comentários:

  1. Creusa...isso é fato. Mas, sigamos em frente, tentando não surtar como esse povo...kkkkkkkkk.

    ResponderExcluir